Não se pode enganar o FeNO! – Entrevista com a Dra. Priya Ilangovan

Não se pode enganar o FeNO! - Entrevista com a Dra. Priya Ilangovan

Não se pode enganar o FeNO!

Uma entrevista com a Dra. Priya Ilangovan

Tivemos a satisfação de conversar com a Dra. Priya Ilangovan. A Dra. Ilangovan é consultora pediátrica há 26 anos, criando o serviço respiratório nos cuidados secundários dos hospitais de Basingstoke e North Hampshire no Reino Unido, e uma clínica de asma dedicada.

Aqui, a Dra. Ilangovan compartilha sua experiência com FeNO, e alguns estudos de casos de asma instigante.

Como se utilizam os testes FeNO para o diagnóstico da asma?

FeNO faz parte do quebra-cabeça de diagnóstico. Colhemos sintomas e uma história clínica completa, realizamos um exame, revisamos radiografias, testamos FeNO e realizamos espirometria para aqueles que podem. Tudo volta para o diagnóstico certo. Faça o diagnóstico certo e então você pode decidir o tratamento. Não mande todo mundo para casa com esteróides inalados só porque eles chegam com um episódio de chiado. Desfaço o diagnóstico de asma em um terço das crianças que chegam ao ambulatório de alta de quatro semanas. FeNO pode ajudar a dizer se a asma existe ou não.

Por exemplo, tentei espirometria em uma criança de quatro anos. Pelas evidências, eu estava absolutamente convencido de que ele tinha asma, mas não conseguia fazer a espirometria. Pedi-lhe para fazer um teste de FeNO. Subiu o número e meu diagnóstico foi confirmado: ele tinha asma tipo 2. FeNO é realmente útil na idade pré-escolar, quando eles não conseguem gerenciar os testes de função pulmonar.

E o FeNO para a gestão da asma?

FeNO é atualmente padrão para monitorização. Temos nosso NIOX VERO® e medimos FeNO depois realizamos espirometria. Usamos FeNO para todas as nossas consultas de acompanhamento. Tenho tendência a acompanhar frequentemente na clínica de asma, de quatro em quatro ou de seis em seis semanas, para manter os pacientes fora do hospital. Um lembrete constante sobre a importância de tomar regularmente os seus esteróides inalados parece funcionar, em vez de dizer “voltem dentro de quatro meses”.

Além do histórico, também temos acesso aos registros de captação de prescrição de GP. Se o paciente não está pegando a medicação, eu posso mostrar. É um pouco como o Big Brother, mas significa que posso conversar com eles sobre a importância de usar a receita deles. Eu digo a eles que as crianças morrem de asma – eu não faço rodeios. É uma condição tão comum que as pessoas não percebem o quão sério é. Se os pacientes não coletaram sua receita, é óbvio que sua asma não será bem controlada. Então eu testo FeNO. E FeNO vai me dizer. Se eles puderem, eu testo a função pulmonar, mas sempre testo FeNO primeiro. O ideal seria se os enfermeiros fossem treinados para incluir: medição de altura, peso, FeNO e função pulmonar, para em seguia o paciente apresentar esses resultados ao médico.

Eu verifico a técnica do inalador e também uso FeNO para avaliar a adesão. Os pacientes dizem “é claro que estou tomando minha medicação!” mas não estão. O número FeNO está lá – e você não pode enganar o FeNO!

Pode compartilhar alguns casos em que o teste de FeNO foi útil em sua prática? 

Tive um paciente de 11 anos. Ela morava com os avós que sofriam de asma e DPOC. O paciente viria com asma grave, com risco de vida. Eu a havia encaminhado e solicitado que ela iniciasse os biológicos. No primeiro mês, pudemos ver que ela estava tomando sua medicação. No entanto, ela começou a perder peso, o que não se soma a uma alta dose de esteróides. Fizemos exames para diabetes e outras condições, mas não havia nada. Pedi à avó que supervisionasse a paciente quando ela tomasse a medicação e garantisse que todas as suas prescrições fossem coletadas.

“FeNO foi o alerta e o ponto crucial.”

Também testei o seu FeNO. Era de 255 ppb! Este valor me ajudou a explicar ao paciente e à sua família que ele poderia morrer a qualquer momento se tivesse uma crise de asma! Eles compreenderam imediatamente a importância de tomar a medicação para a asma, tal como prescrita. Com o acompanhamento mensal, conseguimos reduzir o tratamento da paciente e agora, quatro anos depois, o seu FeNO e sua função pulmonar é normal e está recebebdi um tratamento mínimo. O FeNO foi o alerta e o ponto crucial.

Tive um paciente adolescente que me disse: “Tenho asma, mas só uso o meu inalador ocasionalmente”. Decidi que devíamos testar o seu FeNO – Sempre testo primeiramente o FeNO – e o resultado foi de 5 ppb, o que está na faixa normal. Perguntei se havia tomado algum esteroide inalado recentemente e ele respondeu que não. Quando analisei seu histórico, pude verificar que ele não tinha asma. Na realidade, ele tinha desordenado a respiração. Ensinei-lhe a respiração diafragmática para utilizar plenamente os pulmões e removi o diagnóstico de asma.

Também usei FeNO para confirmar um diagnóstico de asma em um jovem de 16 anos, que tinha certeza de que não tinha a doença e queria interromper o tratamento. Ele queria se juntar ao exército e estava treinando. O paciente relatou que não apresentou sintomas durante o treinamento. Sugeri que medissemos seu nível de FeNO e sua pontuação era 38. Sua função pulmonar também estava abaixo do ideal. Ele ficou muito desapontado, mas infelizmente o diagnóstico de asma foi mantido.

O que você faz depois de obter o resultado FeNO

Converso com o paciente sobre o que significa e por que estamos medindo. Gestão de qualquer doença crônica é sobre educação. Capacite os pacientes para gerenciar sua condição. Usamos FeNO para acompanhar o progresso e ensinar aos pacientes que FeNO mais baixo significa que eles têm mais controle de sua asma e podem diminuir um pouco a dosagem de esteróides. Trabalhamos em parceria com essas crianças. Uma vez que você educa os pacientes e eles se sentem no controle, eles se sentem muito melhor sobre isso. Famílias totalmente engajadas a abraçam imediatamente.

Você disse anteriormente que realiza testes de FeNO com NIOX VERO®. O que fez você escolher este dispositivo em particular?

NIOX VERO® é fácil de usar e é fácil de treinar as pessoas. Para os pacientes, pergunto aos pais: “O que você entende sobre asma?” para verificar o nível de conhecimento. Então explico que a asma tem dois componentes principais: um é que o paciente apresenta um broncoespasmo e dois, que é causado pela inflamação das vias aéreas nos pulmões – e é isso que o NIOX VERO® mede. É fácil colocar isso em contexto para os pacientes.

Eu também gosto das animações para crianças. É visual e você obtém os resultados em um minuto. As crianças adoram a contagem regressiva! Especialmente os pequenos. É muito fácil envolver as crianças e mais fácil de explicar do que a espirometria.

Após o diagnóstico, um menino pré-escolar foi transferido da clínica de asma para um consultor e imediatamente perguntou: “Posso fazer de novo?! A máquina onde a nuvem passa pela tela?” Eu gasto mais tempo tentando ensinar as crianças a fazer um teste de função pulmonar do que para FeNO – uma vez que você mostrou a elas como fazer um teste de FeNO, elas simplesmente o fazem. Eles são tão competitivos e tão motivados – eles QUEREM fazer isso! As crianças acham fascinante – especialmente com as animações do NIOX VERO®. Eles recebem uma recompensa, talvez um rosto sorridente na tela no final, e me dizem que é como um videogame.

As crianças que não conseguem fazer a espirometria farão FeNO facilmente e essa é a diferença – com FeNO, você obterá pelo menos uma medição bem-sucedida na consulta. Todos devem educar as equipes sobre isso.

Post original: https://www.niox.com/en/newsletter/april-2022/