Entendendo as vias inflamatórias do tipo 2

O interesse pela medicina de precisão está crescendo. Para a asma, o desafio está em diferenciar os vários tipos da doença para permitir que os médicos selecionem a terapia mais adequada. A asma tipo 2 geralmente responde bem ao tratamento anti-inflamatório, enquanto os pacientes com asma não tipo 2 provavelmente não respondem aos corticosteróides. Este artigo apresenta a inflamação tipo 2 e os biomarcadores que podem ajudar a identificá-la.

A inflamação característica das vias aéreas da asma pode ser produzida por várias vias biológicas e pode ser difícil distinguir entre os vários tipos com base na avaliação clínica. No entanto, usando biomarcadores específicos, é possível identificar determinados subgrupos de pacientes para personalizar os planos de tratamento.

Muitos estudos foram publicados nos últimos anos analisando os vários fenótipos e endótipos da asma adulta para determinar se a medicina de precisão poderia ser possível. 1Eles observaram que a capacidade de definir endótipos de asma usando características clínicas e biomarcadores deve levar os médicos a uma abordagem mais personalizada e cuidados baseados em precisão. Além disso, como afirmam as diretrizes mais recentes da European Respiratory Society, o fato de muitos asmáticos apresentarem sintomas semelhantes, como chiado, tosse e falta de ar, em todos os subgrupos de asma e outras doenças, significa que a história clínica não é suficiente para diagnosticar e tratar a doença. Identificar o tipo de inflamação que o paciente tem é, portanto, fundamental.

O que é inflamação tipo 2?

Acredita-se que a inflamação tipo 2 resulte da ativação de vias moleculares tanto da resposta imune adaptativa (via células T CD4+) quanto da resposta imune inata (principalmente células natural killer e ILC-2). Citocinas derivadas de células epiteliais, como IL-25 e IL-33, convertem células T CD4+ em células T auxiliares tipo 2 (Th2), enquanto a linfopoietina estromal tímica (TSLP) desempenha um papel fundamental na indução de um ambiente Th2. As células Th2 e ILC-2 produzem muitas citocinas do Tipo 2, incluindo IL-4, IL-5, IL-9 e IL-13, que induzem uma resposta inflamatória. 2

Um infográfico detalhando o processo niox
Um infográfico detalhando o processo NO

A IL-4 estimula as células B, levando à produção de IgE específica e subsequente contração do músculo liso das vias aéreas e hipersecreção de muco. IL-5 e IL-13 aumentam os eosinófilos das vias aéreas e a produção de muco, bem como a remodelação das vias aéreas. IL-4 e IL-13, através da via STAT-6, conduzem a transcrição de iNOS (induzible Nitric Oxide Synthase), aumentando assim a produção de óxido nítrico (NO). 2 No entanto, embora as respostas imunes adaptativas e inatas contribuam para a inflamação geral do Tipo 2, a via inflamatória específica não é a mesma entre todos os fenótipos de asma.

E quanto à inflamação não-tipo 2?

Ainda sabemos muito pouco sobre a base biológica da asma não-tipo 2, embora agora entendamos que ela é geralmente caracterizada por inflamação neutrofílica ou paucigranulocítica e é improvável que responda à terapia com corticosteróides. Pensa-se que as células Th1 e/ou Th17 possam desempenhar um papel importante neste tipo de asma. Três fenótipos principais estão surgindo, classificados de acordo com as características clínicas: associado à obesidade, associado ao tabagismo e início muito tardio. 2

Biomarcadores da inflamação tipo 2

Os biomarcadores mais comuns da inflamação das vias aéreas tipo 2 são o óxido nítrico exalado fracionado (FeNO), escarro e eosinófilos no sangue. A contagem de eosinófilos no escarro é conhecida como o teste padrão-ouro para avaliar a inflamação das vias aéreas. Estudos mostraram que tanto o FeNO quanto os eosinófilos sanguíneos se correlacionam igualmente com os eosinófilos do escarro, com alta sensibilidade e especificidade (para eosinófilos do escarro ≥3%) 3 No entanto, vale ressaltar que o FeNO e os eosinófilos do sangue podem refletir vias diferentes.

Como o FeNO funciona como um biomarcador?

As células epiteliais das vias aéreas em indivíduos saudáveis ​​produzem normalmente NO e baixos níveis de NO exalado. 4 Quando a inflamação do Tipo 2 (o tipo de inflamação responsável por até 84% dos casos de asma 5 ) está presente nas vias aéreas, interleucinas como IL-4 e IL-13, regulam positivamente a atividade da enzima iNOS, que produz NO em a via aérea. 2 Os níveis de NO exalado aumentam, dando aos profissionais de saúde uma medida objetiva da inflamação das vias aéreas. 4

O uso de biomarcadores como FeNO pode ajudar a diferenciar entre inflamação tipo 2 e não-tipo 2 para permitir um tratamento mais preciso. Ao contrário dos procedimentos de escarro e eosinófilos no sangue, o teste de FeNO é simples, imediato e não invasivo.

O FeNO permite que a inflamação tipo 2 seja monitorada de perto durante o tratamento para uma abordagem mais personalizada no local de atendimento. Os testes podem oferecer previsão e avaliação da resposta ao tratamento anti-inflamatório, pois os níveis de FeNO são reduzidos pelos corticosteróides, além de melhorar a adesão e otimizar a dosagem de esteróides. 6

Post Original: https://www.niox.com/en/digital-platform/understanding-type2